The Offspring e São Paulo: um encontro aguardado

setembro 16th, 20132 Comments »Última Atualização: setembro 2, 2016

Direto do Credicard Hall (SP)

Depois de um show super concorrido no Palco Sunset, do Rock in Rio, o The Offspring desembarcou em São Paulo para uma apresentação, neste domingo (15). Já faziam cinco anos que a banda não passava por aqui, desde o Planeta Terra Festival de 2008.

Formado em 1984, na Califórnia (EUA), o grupo conta atualmente com Dexter Holland (vocal e guitarra), Kevin “Noodles” Wasserman (guitarra), Greg Kriesel (baixo) e Pete Parada (bateria).

Com cerca de 1h de atraso, após apagões de luz na região e a abertura da banda brasileira Rancore, o Offspring subiu ao palco do Credicard Hall às 21h10. A partir daí um setlist matador com vinte canções, entre elas “Come Out And Play”, “Days Go By” (única do novo álbum de 2012), “Original Prankster”, “Mota” (do disco Ixnay on the Hombre de 1997), ”Want You Bad”, ”Why Don’t You Get A Job?”, “Pretty Fly (For A White Guy)” e “The Kids Aren’t Alright”. A música “California Sun”, cover do Ramones, também foi tocada. No Rio, inclusive, o lendário baterista Marky Ramone participou do show (assista aqui). Os paulistanos não tiveram a mesma sorte, mas nada que os desanimassem.

Dexter Holland e companhia interagiam bastante com o público, que pulava, cantava e gritava muito. O vocalista comentou o quanto achava os fãs paulistanos “loucos”. O guitarrista Noodles deu um show a parte, dividindo sua bebida com a plateia em copos personalizados, distribuindo palhetas, fumando e reclamando que fazia muito tempo que não vinham ao Brasil. Além disso, o grupo é musicalmente bom ao vivo.

No bis, após alguns minutos de pausa, foram executadas “(Can’t Get My) Head Around You” e a esperada “Self Esteem”, que encerrou a noite. Apesar de curto, 1h10 de duração, o show foi bem recebido por todos. A maioria do público, que quase lotou o local, era composto por jovens e uma galera que acompanhou o Offspring nos anos 90.

Setlist

1 – All I Want
2 – Bad Habit
3 – Come Out And Play
4 – California Sun (Ramones cover)
5 – Days Go By
6 – Original Prankster
7 – Mota
8 – Have You Ever
9 – Staring At The Sun
10 – What Happened To You?
11 – Kristy, Are You Doing Okay?
12 – Want You Bad
13 – Hit Hat
14 – Why Don’t You Get A Job?
15 – Americana
16 – You’re Gonna Go Far, Kid
17 – Pretty Fly (For A White Guy)
18 – The Kids Aren’t Alright

Bis

19 – (Can’t Get My) Head Around You
20 – Self Esteem

Fotos e Vídeos

O Reduto do Rock fez a cobertura da apresentação, em tempo real. Veja outras fotos e vídeos no nosso Instagram: clique aqui!

Por: Diego Centurione
Fotos: MRossi (T4F)

« Setlist do Muse no Rock in Rio 2013
Rock in Rio 2013: comentários sobre o segundo e terceiro dias »

Categorias

Exclusivo! Fotos Músicas e Vídeos Shows & Eventos

Tags

Comentários

2 Comments

  1. Alfredo disse:

    Fui no show! Sou fã da banda desde o álbum Americana, que explodiu no Brasil no final dos anos 90. Desde então foi a primeira banda de rock que fui fã realmente; comprava todos os cds originais; todas revista com publicações, etc. A partir dai comecei a minha vida interessada no rock, conheci Bad Religion, Pennywise, NOFX, Green Day, Lagwagon, Rancid e tantas outras boas bandas de punk rock americano da época. Após essa neurose de punk rock, skate, Tony Hawk, conheci outras vertentes do rock. Então reconheço o quão importante foi tê-los como percursores do meu gosto musical.

    Foi a primeira vez que fui a um show deles, ao vivo eles destroem, são muito bons! Como bom fã prefiro o material antigo, mais cru, rápido e sem frescura. Foi um prato cheio, tocaram vários hits, como a própria matéria diz. O trio Dexter, Greg K, Noodles não mudam, são consistentes, velhacos, sabem como agradar o público. O baterista Pete Parada encaixa muito bem, é rápido, como deve ser.

    Bom ver que uma banda como essa tem um grande público no Brasil, o show estava lotado. Parecia que a capacidade do Credicard Hall tinha sido aumentada. Mal consegui me adentrar a pista, assisti boa parte nas pontas dos pés. Mas valeu muito a pena. Pagaria de novo. Irei novamente se voltarem.

    Sugiro um festival só de bandas punk rock, hardcore, no estilo Warped Tour americano. Acho que daria certo por aqui.

    Um abraço, ótimo site, ótima matéria.

  2. HugoCT disse:

    Alfredo foi assim comigo tambem, mesma história, isso aconteceu com muitos fas do Brasil …. os caras arrasaram e pronto, um grande tapa na cara daqueles que falaram que eles eram moda passageira e traidores do punk.


Festivais no Brasil

    Nenhum data presente

Apoio