O que teve de rock no primeiro dia do Rock in Rio

setembro 14th, 20130 Comments »Última Atualização: setembro 22, 2013

(Atualizado)

Opinião de Jamari França
Texto cedido ao Reduto do Rock
13/09/13

Escrevi em tempo real o que teve de rock no primeiro dia do Rock in Rio no Facebook. O mico do dia, como suspeitava, foi a homenagem a Cazuza, salva apenas por Ney Matogrosso e pela formação original do Barão com Frejat, Guto, Dé e Maurício. De resto um espetáculo mal produzido com cantores que não interpretaram as músicas como deviam, desafinaram horrores, caso das desastrosas Maria Gadu e Bebel Gilberto. Paulo Miklos, uma das melhores vozes de sua geração, que solta os bichos nos Titãs, estava contido, aquém de suas possibilidades, e ainda lendo a letra, o que prejudica muito qualquer performance. É o mal desses tributos, o pessoal não se prepara de maneira adequada, falta segurança, fica-se contido com medo de que dê uma merda qualquer.

E as músicas que Miklos ficou encarregado ficariam geniais em sua voz com uma produção adequada. “Vida Louca Vida”, de Bernardo Vilhena e Lobão (veja opinião do músico sobre o tributo neste link), foi a música que Cazuza escolheu para retratar o sufoco que passava, abria seu último show que gerou o CD ao vivo O Tempo Não Para: “Vida louca, vida breve, já que eu não posso te levar, quero que você me leve”. O blues Down em Mim merecia uma das interpretações viscerais que Miklos sabe fazer muito bem e não fez. E o hino Exagerado, primeiro sucesso solo de Cazuza depois de sair do Barão, era outro que ele podia ter arrasado.

A banda tinha grandes músicos como Fernando Vidal na guitarra, Cesinha na bateria, Liminha no baixo, mas os arranjos ficaram pasteurizados sem a força que as composições merecem. Isso aliados a intérpretes sofríveis como Maria Gadu (Faz Parte do Meu Show e Bete Balanço), Bebel Gilberto (Preciso Dizer Que Te Amo e Todo Amor Que Houver Nessa Vida) e Rogerio Flausino (Solidão Que Nada, Nosso Amor a Gente Inventa). A essa altura eu já estava roendo o encosto da cadeira de ódio. Aí, de repente, irrompe a figura forte e carismática de Ney Matogrosso cantando “O Tempo Não Pár”a com toda majestade. Ufa, que alívio. Emocionou com Codinome Beija Flor e fechou com Brasil, estragado por um arranjo furreca.

E finalmente os músicos que conheci moleques em 1982 entraram com a devida eficiência para cantar Porque A Gente É Assim e Blues da Piedade. Antes teve umas falas de Cazuza do primeiro Rock in Rio. Aliás nem sei porque estou falando isso tudo se todo mundo viu pelo Multishow. Anyway, quando falam em tributo eu tremo. Neste sábado, tem um pro Raul Seixas no Sunset com Detonautas, Zélia Duncan e Rick Ferreira, um povo que eu gosto muito. Vou torcer pra ser diferente.

O anunciado encontro de Vintage Trouble com Jesuton no palco Sunset não se concretizou. Ela cantou só duas músicas, uma delas “Mas Que Nada”, a velha mania dos gringos de desconhecer nossa música e achar que ainda estamos no começo dos anos 60. A banda é de soul music com um grande vocalista e um bom guitarrista de hard rock. Não tem substância para ser chamada de uma grande banda de rock criativa com fôlego suficiente para seguir adiante. Usa uma série de clichês de hard rock e soul, teve chupadas que foram de Jimmy Page a Janis Joplin (Move Over) na guitarra e James Brown nos vocais. É boa mesmo para shows, de fazer a plateia se acabar de dançar.

E teve o poderoso Living Colour (na foto), esta sim uma grande banda de fôlego. Canções consistentes, todos excelentes em seus instrumentos, um repertório que inclui criticas sociais e políticas como “Cult of Personality”, “Open Letter (To a Landlord)”, “Glamour Boys” e “Desperate People”. Longos e precisos improvisos de Vernon Reid, os falsetes de Corey Glover, o baixo seco de Doug Wimbish e a porrada segura e precisa de Will Calhoun na bateria. Quando a cantora de Benim Angelique Kidjo, uma grande dama da canção africana, entrou em cena, o show virou de funk hard metal para world music com os ritmos e o estilo de guitarra africanos trazido por um músico que veio com Kidjo. A celebração africana só voltou aos domínios do rock quando ela e a banda tocaram o clássico de Jimi Hendrix “Voodoo Child”, uma chance para Vernon se divertir horrores na guitarra.

E de rock foi só. Depois veio farofa com dendê de Ivete, tum tum tum de David Guetta e a pirotecnia de muita forma e pouco conteúdo de dona Beyoncé Giselle Knowles, uma grande cantora com um repertório fedorento.

Abaixo, alguns comentários colocados nos posts que coloquei no Facebook nesta sexta.

Tributo a Cazuza

João Flávio Ramalho Fontes: Melhor forma de estragar um show: chamar a Maria Gadu pra cantar!

Lacerda Ribeiro Del J: Acho que a Bebel ta chapada…rsss, mas ela é uma figuraça…pode tudo amiga do cara pô.

Giovani Guedes Lettiere: Pior são os cantores lendo as letras em dálias! Ninguém decora mais nada? Eu que não sou cantor sei as letras! E muita falha. Parece que não houve ensaio algum! Lamentável mesmo.

Marcelinho Da Costa: Aliás o padrão Globo/Fifa tá tirando toda a originalidade e espontaneidade de tudo! O que que o Paulo Miklos, a Maria Gadú e o Rogério Flausino tem a ver com o Cazuza! Aliás o homenageado e o Ezequiel Neves devem estar muito putos onde quer que eles estejam!

Emerson Leal: Ney é incrível e a diferença do respeito da platéia por ele em relação aos outros é notória. Só o arranjo que tá feio, burocrático.

Bruno Iaccarino: Pô Bebel…tudo fora do tom..e vc, Flausino, meu amigo…você….auheuhaeuh…melhor não comentar…rs

Duda Fernandes: UFFFFAAAA Ney veio salvar. Nada como ter punch e experiência, dramaticidade, e presença. VIVA ELE!!!!

Felipe Almeida: Os arranjos realmente podiam estar mais à altura da magnitude do evento.

Leo Barreto Pior: são esses arranjos a la boate…

Luiz Felipe Carneiro: Nenhum tributo desse tipo presta e nunca vai prestar. A família acha lindo, os músicos envolvidos acham lindo, mas o homenageado fica se revirando na cova.

Guetta

Davi Probo: Pode crer Jamari! Resumo do show do David Guetta: Tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz tuntz

Living Colour

Luiz Augusto Catugy Jr: A melhor atração da noite! Só acho que está no dia errado! Na primeira música já mostraram ao que vieram!

Bruno Valente Pimentel: é muita sacanagem colocarem o cara num palquinho e ainda no dia de hj! Eles são um dos melhores! Lembro do primeiro show deles que fui!

Fotos

Veja imagens oficiais do festival: clique aqui!

Jam Sessions – O Blog do Jama: oglobo.globo.com/blogs/jamari
Edição Reduto do Rock: Diego Centurione
Fotos: Divulgação - Rock in Rio

« Setlist do Living Colour no Rock in Rio 2013
Setlist do show “Viva a Raul Seixas”, no Rock in Rio 2013 »

Categorias

Fotos Opinião Shows & Eventos

Tags

Comentários

Nenhum comentário


Festivais no Brasil

    Nenhum data presente

Apoio