O papel das bandas covers no cenário musical

junho 11th, 20130 Comments »Última Atualização: junho 12, 2013

Matéria para o parceiro Showlivre (leia abaixo ou aqui)
Baseado no nosso Especial de Fim de Ano (2012)

Ser músico é sonho de muitos jovens. Ter uma banda, criar a sua canção e fazer shows pelo mundo afora. Mas boa parte deles passa a dedicar sua vida ao cover. Não só no Brasil como em outros países, há um grande número de pessoas que busca reviver um grande artista.

Não é difícil encontrar em bares, noites dedicadas a bandas tributo. A diversidade é imensa: Beatles, Oasis, Led Zeppelin, Queen, Bon Jovi, U2, Arctic Monkeys, Coldplay, entre outras. Uma pergunta que se pode fazer é por que esses grupos decidem abdicar de uma carreira com suas próprias músicas, para dar voz às bandas consagradas?

Olhando de fora, uns podem dizer que seja por comodismo, uma forma mais fácil de alcançar sucesso ou encher barzinhos com um público já no clima etílico. Outros, que isso é uma homenagem, reflexo da tamanha influência que uma banda representa na vida.

Na realidade, não é fácil ser músico, conseguir espaço para tocar e alcançar imediatamente a fama. Sendo tributo, é possível chegar a lugares aonde dificilmente a banda original iria. Um exemplo é o grupo paulista Coldplayers, cover de Coldplay, que chegou a tocar no estado do Acre. É uma forma de preencher esses espaços que não entram na rota de shows, que sempre se fixam às grandes capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre).

Um fator interessante indicado por Pablo Miyazawa, editor-chefe da revista Rolling Stone, é a questão do talento para escrever ou tocar: “O fato de você saber reproduzir nota por nota um solo do Eddie Van Halen não permite obrigatoriamente que você componha uma música como ele, que faça um riff de guitarra tão original quanto o dele. Existe uma distância muito grande entre quem sabe reproduzir muito bem e entre quem sabe criar muito bem. Nem toda banda que toca cover sabe compor”.

Não basta só um “copiar e colar’, é necessário dedicação e isso acaba se tornando bom. Vários tributos fazem sucessos em diversos países e servem para preservar ou mostrar para outras gerações algo que não é mais possível se ver, como Beatles ou Queen.

No palco, não são os integrantes originais, mas vozes se elevam, extravasam e trazem, de fato, uma certa emoção de volta. Seja para quem teve a sorte de conferir ao vivo os originais ou está ali para se divertir.

Se até mesmo Beatles e Rolling Stones começaram tocando covers de artistas como Chuck Berry e Elvis Presley, não dá para atirar a primeira pedra. O legal é se inspirar em bandas como essas e assim criar a sua própria música, não ser apenas um ‘parasita musical’, como nas palavras do jornalista Lucio Ribeiro.

Mas há espaço e público para discordar ou não desse trabalho. E você, o que acha?

Para saber um pouco mais sobre esse universo, há um áudio reportagem com entrevistas de jornalistas, críticos musicais, fãs e bandas tributo. Para ouvir acesse este link.

Texto e foto: Por: Álvara Bianca (Colaboradora RR)
Edição: Diego Centurione

« Exposição e shows celebram os Beatles em shopping de SP
Planeta Terra confirma Blur, Beck e mais; veja informações sobre o festival »

Categorias

Opinião

Tags

Comentários

Nenhum comentário


Festivais no Brasil

    Nenhum data presente

Apoio