Toda revolução tem seu preço e os Beatles pagarão pela sua eternamente

julho 4th, 20121 Comment »Última Atualização: julho 4, 2012

Já se passaram 43 anos desde o final das sessões de Abbey Road (1969), último álbum gravado em estúdio pelos Beatles. Porém, o diretor-médico da Rússia, Yevgeny Bryun, uma espécie de ministro da saúde, reviveu a revolta das autoridades nos anos 1960, culpando, em entrevista divulgada no último dia 27, o quarteto de Liverpool pela explosão no uso de drogas por jovens no país. Segundo ele, a viagem que John, Paul (na foto), George e Ringo fizeram à Índia, em busca de expandir seus horizontes, fez com que a juventude russa descobrisse a existência de substâncias químicas capazes de alterar o estado de consciência das pessoas. A viagem foi bastante divulgada na época.

Os Beatles são velhos conhecidos pela relação com as drogas. A famosa entrevista de Paul McCartney, durante as gravações do Sgt. Peppers, na qual ele afirma que usava substâncias como LSD causou revolta nas autoridades da época que alegavam, novamente, que Paul estava incentivando os jovens a utilizar produtos químicos ilegais. Ironicamente, ou não, o fab four é reverenciado até hoje por sua era de “mentes abertas”. Para grande parte da crítica, os álbuns produzidos na época “drogada” dos Beatles são os mais revolucionários da música até hoje e são, também, os que deram aos ingleses o título de banda mais importante em todos os tempos.

O uso de drogas é um debate árduo e contínuo nos dias de hoje. Movimentos como o ‘legalize já’ são abraçados por uma boa parcela da população, abrindo o uso da maconha para um debate livre. É irônico, também, que um país famoso pela promoção de drogas (sim, bebida também é droga) como a vodka venha agora sair em defesa da saúde mental e moral de seus jovens. Os Beatles tem uma grande parcela de ‘culpa’ por termos debates, como a já falada legalização da maconha, hoje em dia; o conceito de alucinógenos é extremamente discutível e o fato de termos uma medicina, em parte, avançada em pesquisas a respeito de influências perigosas como o crack, deve-se muito a esse ‘crime’ cometido pelo quarteto.

Não estamos aqui defendendo o uso de drogas, mas também não condenamos. Afinal, bebida não é uma droga? Não altera o estado de consciência de uma pessoa? E quanto ao cigarro? É cômodo e fácil para qualquer governo jogar a culpa em cima de substâncias mais pesadas e condenadas, além de moldar a mente da população, fechando-a para qualquer tipo de debate em relação ao assunto, do que enxergar, admitir e deixar de faturar com as menores e, talvez, mais perigosas drogas.

Os Beatles abriram a mente dos jovens, fazendo com que eles cortassem o cordão umbilical com o politicamente correto e a imposição do governo, seja através das drogas ou não. Portanto, deixem a memória dessa banda, que é um marco histórico na cultura popular, descansar em paz.

Por: João Victor Vieira (Colaborador Reduto do Rock)
Edição: Diego Centurione
Fontes: Daily Mail, Terra, Folha de SP

« Muse: veja o vídeo de “Survival”, tema dos Jogos Olímpicos de Londres
“A Saucerful Of Secrets”, do Pink Floyd, completa 44 anos »

Categorias

Geral

Tags

Comentários

1 Comment

  1. Daniel Coelho disse:

    Se as drogas causassem esse efeito magnífico a todos, o mundo da musica estaria perfeito!!! Pra condenar os Beatles só pode ser inveja!! kkkk , mais também quem não assumir que tem inveja do sucesso dos Beatles…