Aerosmith empolga milhares de fãs em São Paulo

maio 30th, 20104 Comments »Última Atualização: outubro 21, 2013

São Paulo, 29 de maio de 2010, é um dia para nenhum fã do Aerosmith esquecer. Em um lotado Palestra Itália, ao lado de quase 40 mil pessoas, vivi uma das maiores emoções da minha vida. A noite começou com o show de abertura da banda Cachorro Grande (confira entrevista exclusiva ao Reduto do Rock aqui), animando a galera com seus sucessos Roda Gigante, Deixa Fudê, Lunático, Desentoa, entre outros. O vocalista Beto Bruno cativou o público, dizendo que São Paulo é a terra do Rock n’ Roll e que, assim como todos ali, eles também são fãs do Aerosmith, uma das melhores bandas de Rock de todos os tempos.

O show do Aerosmith iniciou com um pequeno atraso de seis minutos, quando uma bandeira gigante com o logo da banda cobriu a visão do palco, levando os fãs à loucura. O grupo entrou tocando a empolgante Eat the Rich do disco Get a Grip (1993). Na sequência foram tocadas, entre outras, Love in a Elevator, Dream On, Livin on the Edge, Kings And Queens, Crazy e Cryin’ (as duas últimas famosas por seus clipes com Liv Tyler, filha de Steven Tyler, e Alicia Silverstone).

Tyler e Perry dividiram os olhares do público. Enquanto o vocalista desfilava com suas roupas brilhantes e o pedestal do microfone cheio de lenços, o guitarrista solava na beirada do palco com suas calças e jaqueta de couro. Os atritos da banda noticiados pelas mídias também pareciam ter ficado para trás durante o show. Ao ver uma calcinha vermelha jogada no palco, o vocalista pegou a lingerie e pendurou no microfone, disse: “Me ajude a cantar a próxima, Perry”.

O guitarrista usou todo o palco, cantou, solou em um Teremin (instrumento inventado pelo russo Lev Termen) e conversou com o público. “Como estão hoje? Estão se divertindo?”, disse antes de um inusitado duelo de guitarra. Estrela de uma das versões do famoso jogo Guitar Hero, Perry fez um desafio contra sua versão virtual, que aparece nos telões tocando alguns de seus solos. “Quero ver o que é melhor. O jogo ou a coisa real”, traduziu a intérprete para o público.

Tocaram ainda What It Takes, iniciada em capela por Steven Tyler e as muito esperadas Sweet Emotion, Baby, Please Don’t Go (cover de Big Joe Williams) e Draw the Line. A banda se despediu do palco, mas muitos ali já sabiam que haveria um bis. As imagens das capas dos álbuns apareceram no telão, que em seguida exibiu o logo do Aerosmith nas cores verde e amarela tremulando com em uma bandeira do Brasil.

O baterista Joey Kramer reiniciou com a clássica Walk This Way, faixa que ficou famosa pela interação dos roqueiros do Aerosmith com os rappers do Run DMC. Para encerrar Toys in the Attic, que dá título ao álbum de 1975.

Por duas horas, Steven Tyler dançou, tocou gaita e cantou, do início ao fim, sem usar o truque de alguns coroas rockeiros de “deixar com a galera” os refrões consagrados para tomar fôlego. Joey Kramer atraiu todos os olhares durante seus solos, principalmente em um deles, no qual se tornou praticamente um “homem-baqueta”, tocando com o próprio corpo. Em outro momento do show, Tyler mostrou que também é capaz, tocando juntamente com Joey. A banda mostrou energia, atitude, carisma e, é claro, uma incomparável qualidade musical. Tocaram como se os anos não tivessem passado. Pra quem não foi, vale ouvir o disco Litte South of Sanity de 1998, pra ter um gostinho do que é ouvi-los ao vivo.

Organização: Vale ressaltar a má organização do Palestra Itália para eventos deste porte, que oferece uma única e estreita saída para os fãs que assistem aos shows da pista. Algumas das placas de quiosques da pista premium atrapalhavam a visão do palco para quem estava na pista comum. E, para quem queria comprar uma camiseta de recordação, os R$ 70 pedidos no quiosque do show foram um tanto desanimadores também.

Setlist: Para alguns fãs faltou apenas I Don’t Want to Miss a Thing, trilha-sonora do filme Armageddon, para que o setlist ficasse perfeito. Curte aí o repertório completo.

Eat The Rich
Back in the Saddle
Love in an Elevator
Falling in Love (is Hard on the Knees)
Pink
Dream On
Livin’ on the Edge
Jaded
Kings And Queens
Crazy
Cryin’
Solo de bateria
Lord Of The Thighs
Joe Perry com Guitar Hero Stop Messin’ Around (Fleetwood Mac cover)
What It Takes
Sweet Emotion
Baby, Please Don’t Go (Big Joe Williams cover)
Draw the Line
Bis
Walk This Way
Toys in the Attic

Sobre o show, Joey Kramer escreveu no seu twitter:

“Thanks Sao Paulo u rocked Aerosmith’s world !! Can’t wait to come back”.

Galerias de fotos:

Reduto do Rock

Terra

Globo

Yahoo

Rolling Stone

R7

Uol

Vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=9kr88pj2WU4

http://www.youtube.com/watch?v=NC9Sljx4AHc

http://www.youtube.com/watch?v=vkGElMlJORM

Uol:

“Eat the Rich”

“Back in the Saddle”

Fontes: Diego Centurione para Reduto do Rock e Terra

« 15 mil molhadinhos pelo Aerosmith em Porto Alegre
Metal é coisa pra macho! Será? »

Categorias

Exclusivo! Opinião Shows & Eventos

Tags

4 Comments

  1. Cela disse:

    Foi lindo demais da conta! A banda mostrou respeito aos fãs e seguidores tocando musicas clássicas e LADO B como Lord of the thighs, kings and queens, Toys, Draw the line enquanto 90% do publico ficou quieto e com cara de “?” kakakaka…mas blz…historico e maravilhoso…perfeito.

  2. Lud disse:

    Poxa,perdi!=/

  3. Li disse:

    não tocou train kept a rolling !